vale a pena?
Como o próprio nome já sugere, Caesar IV é a quarta versão da famosa franquia de simuladores onde o seu objetivo é criar e gerir uma cidade romana. Como governador, você deverá controlar todos aspectos da sua província, como os suprimentos de água e comida, moradia, economia, saúde e outros aspectos.

A série teve seu início em 1993 e percorreu treze anos até chegar a sua versão mais recente, sendo que o hiato entre o terceiro e quarto títulos foram de angustiantes oito anos de espera. Com cenários envolventes e títulos que superavam seus predecessores, a franquia floresceu, criando inclusive duas ramificações, Pharaoh e Zeus: Master of Olympus, cativando fãs no mundo inteiro.

Para agradar aos jogadores que acompanharam o desenvolvimento da série, bem como arrebanhar novos entusiastas, a série apresenta um pacote de inovações, sendo os mais notáveis referentes a parte gráfica.

Do Regnum Romanum ao Imperium Romanum

No modo singleplayer, você conta com duas opções de jogo, o modo carreira e os cenários. Na carreira o jogo apresenta três campanhas, a do “Reino” – contendo 5 missões, de caráter bem tutorial, com dificuldade progressiva onde você aprende os comandos e conceitos básicos do jogo.

As outras duas campanhas são a República, com missões mais difíceis que requerem um pouco mais de experiência do jogador, e as do Império, que só ficam disponíveis depois que jogador vença no nível Republica.

Para vencer as missões você deverá alcançar alguns objetivos básicos, como por exemplo atingir um certo número de habitantes, alcançar certos indicadores culturais ou de educação. Estes objetivos são apenas parâmetros para definir o momento em que o jogador vence o desafio, pois para cumprir qualquer uma das missões, você deverá criar uma cidade completamente funcional, com uma economia forte e bem estruturada.

Para saber se o seu gerenciamento está dando certo, o jogo possui centenas de informações que mostram todas as características da sua cidade. Se a analise dos dados estiver muito complexa um grupo de Conselheiros da Cidade irão ajuda-lo a compreender as prioridades, apresentando um resumo das carências e urgências de cada área. Ao todo são 12 conselheiros, entre eles: o conselheiro do trabalho, das finanças, do império, dos índices, dos recursos, da população, das regiões, da saúde, da religião, da educação e do entretenimento.

Roma não foi construída em um dia

Ao todo você poderá contar com cerca de cem edificações diferentes para construir uma cidade cada vez mais atraente e funcional para seus habitantes. Para tanto você deve levar em conta a disposição destas obras no terreno, espalhando-as de forma coerente e objetiva. De nada adianta você construir a moradia dos operários em um canto da cidade e as fábricas e fazendas do outro lado.

Sua cidade possui células que devem se comunicar a fim de produzirem mais riquezas e garantirem um bom funcionamento do conjunto. Não basta ter milhares de trabalhadores se eles estão passando fome e como você irá manter aquelas magníficas construções se não existem engenheiros.

Este planejamento estratégico, aliado a muito micro-gerenciamento, é que irá ditar o crescimento da sua cidade. Portanto estude bem a colocação das ruas e das principais construções, bem como as relações da sua cidade com as outras províncias da região, não se esquecendo das necessidades do Império.

Todos caminhos levam a Roma

O velho ditado português, “todos caminhos levam a Roma” referia-se ao grande complexo de estradas romanas que ligavam todo o império, promovendo comunicação, trocas comerciais e culturais, além de vantagens militares. No jogo você deve utilizar estas relações para estabelecer uma intrincada rede de comércio entre a sua província e as cidades vizinhas. Lembrando sempre que o império também pode fazer exigências, como por exemplo sacas de comida, certos bens de luxo e até mesmo dinheiro proveniente de impostos.

Caso você não atenda aos pedidos do império, seu crédito com Caesar irá diminuir, dificultando a vitória em certos cenários, bem como colocando seu emprego em risco, já que Roma pode lhe destituir do cargo por incompetência administrativa. Subornar o senado romano é uma saída, mas o melhor jeito de manter seu emprego é cumprir os pedidos de Roma, construindo uma economia bem consolidada.

O jogo oferece uma opção de auto-gestão, que dá conta de todos pormenores econômicos, ideal para os iniciantes. Mas como um dos pontos fortes do jogo é sua enfase nos aspectos econômicos, a possibilidade de micro-gerenciar a produção, estoque e comercio de produtos apresenta muitas horas a mais de diversão.

Plebeius Rude!

O jogo volta-se principalmente para a dinâmica econômica das cidades, para tanto explora muito bem o sistema de classes da Roma antiga. Na base da estrutura social está a plebe, os músculos que movem as engrenagens do império, cultivando a terra e trabalhando nas fábricas, suas necessidades básicas são comida e roupas.

Em seguida a classe média, composta pelos cavaleiros, residentes de construções mais elaboradas e prestadores de serviços como engenheiros, médicos e coletores de impostos. Além das necessidades básicas, os cavaleiros, também clamam por itens de luxo, como mobília e vinho.

E no topo da pirâmide, apoiado nos ombros dos cavaleiros e nas costas da plebe, estão os patrícios. A alta classe romana habita casas enormes e bem adornadas. Como nobres que são, não trabalham para viver, e necessitam tanto de itens básicos como de luxo, além dos itens exóticos. Seu grande propósito é politico além do fato de serem os únicos cidadão que contribuem com impostos.

Uma cidade grande e funcional deve mostrar um equilíbrio das três classes. E manter todos alegres é uma tarefa difícil E todas são interdependentes, pois você precisa dos nobres para taxa-los, mas como eles não produzem bens você deve ter toda uma infra estrutura de suporte formada por plebeus e cavaleiros.

Panem et circenses

Um de seus maiores desafios será o de atrair pessoas e mante-las felizes. Para atrair novos moradores uma cidade deve oferecer recursos básico, como saúde, estradas e comida. Mas um fator extremamente importante principalmente para atrair imigrantes das classes sociais mais elevadas é o entretenimento. Construindo praças de lazer como Coliseus, Odeons, Teatros e Circos irá aumentar os índices de felicidade dos seus cidadãos.

Outro elemento importante é a religião. Não podemos esquecer dos deuses, construindo templos você incentiva a devoção às divindades, conforme o número de adoradores, os deuses lhe concederam bençãos, mas caso você negligencie a idolatria a fúria divina irá cair sobre a sua cidade.

Caesar: Total War!

Filmes como Spartacus, Gladiador e Ben-Hur mostraram toda a grandiosidade dos combates e conquistas da Roma antiga. Infelizmente Caesar IV não mostra nada desta glória, a tentativa de incorporar elementos de RTS (estratégia em tempo real) dentro deste simulador é uma conseqüência lógica do cenário. O que não significa dizer que foi uma empreitada bem sucedida.

O sistema de combate é simplista, e resume-se a atacar ou defender-se de um inimigo. As formações e o terreno pouco influem, e via de regra o exército com maior contingente irá se sagrar vitorioso. Obviamente ao se jogar um simulador de cidades não se espera entrar no mundo de Rome: Total War, mas a forma como o sistema de combate se apresenta denigre a imagem geral do jogo e torna-se algo completamente dispensável.

Ao invés de lutar diretamente você pode tentar fortificar sua cidade com altos muros e torres. Entretanto as restrições de terreno tornam a construção extremamente difícil e frustrante, sendo mais fácil construir instalações de recrutamento e treino das tropas.

Ave César!

Mesmo sendo pertencente a um gênero tradicionalmente voltado para à jogabilidade singleplayer, Caesar IV consegue incorporar um elemento online, e não se trata de um modo cooperativo.

Na opção Desafio do Caesar, você encontra o sistema de jogo dos cenários, onde seu objetivo é alcançar certas metas como número de habitantes, renda gerada, etc. O desempenho dos jogadores em cada missão é ranqueado, aferindo ao melhor colocado a glória de tornar-se governador. O jogador que controlar o maior número de cidades torna-se o grande Caesar.

Uma versão menos competitiva chama-se O Império, onde você constrói cidades e depois faz o upload das mesmas, quanto maior for o seu número de cidade, maior será o seu ranking no Império. Então você poderá comparar suas cidades com a dos outros jogadores no site oficial do jogo.

Lex Scripta

O pacote oficial de Caesar IV para o Brasil inclui um manual totalmente em português, sua tradução está muito boa e o conteúdo irá auxiliar e muito à todos os novatos. Suas descrições dos itens apresentados no jogo, trazem todas as construções, suas funções.

O manual também explica os conceitos básicos do jogo e controles. Além destas, também estão espalhadas pelo livreto, algumas dicas para melhorar o seu desempenho no jogo. E ao final um glossário Inglês-Português, facilita e muito a vida de qualquer jogador que não possua muito afinidade com a língua bretã.

O Nascimento de Vênus

A franquia evolui e estreia seus gráficos totalmente em 3D. Quando vistos a distância os cenários são espetaculares, a engine dá conta de efeitos como reflexos na água e transições de luz.

Estas inovações gráficas superam os predecessores e, em alguns aspectos, até mesmo alguns títulos concorrentes. Entretanto devemos notar o uso excessivo do contraste HDR (High dynamic range), bem como a baixa frame rate (quadros por segundo) e os longos períodos de carregamento, que prejudicam o desempenho geral do jogo.

A câmera apresenta grande mobilidade, permitindo que o jogador observe tudo o que deseja de forma satisfatória. Mas ao se utilizar o zoom mais próximo pode-se perceber a falta de expressão dos personagens.

Caesar IV está deslumbrante. As províncias estão repletas de atividade. O elevado grau de detalhamento mostra não apenas as animações de cada edifício, mas também podemos ver todo o ciclo econômico de um produto, desde o cultivo até o consumidor. Os efeitos climáticos principalmente os efeitos de luz dedicados a mudanças de dias e noites dão um toque todo especial a este jogo.

Os relâmpagos de Jupiter

Simuladores de longa duração como este, deveriam ter uma preocupação redobrada com o fundo musical. Devido a sua longa jogabilidade, cedo ou tarde, você acabará enjoando dos temas musicais. Caesar IV diversifica a trilha sem estragar o clima.

Além das músicas os efeitos sonoros complementam o jogo de forma inteligente, como por exemplo nas dicas que os próprios cidadãos oferecem. Ao clicar em um transeunte uma dublagem irá comentar a principal reivindicação pertinente a classe social do personagem.

...a Caesar o que é de Caesar

A espera que oito anos parece ter sido recompensada com um título a altura de seus predecessores. Mesmo depois de algumas semanas de jogo no modo single, você ainda poderá utilizar as funções multiplayer online. Competindo pelo título de grande Caesar.

O jogo consegue mostrar vários avanços da uma franquia, que já conquistou um lugar de destaque entre os simuladores. As novidades na jogabilidade e qualidade gráfica devem agradar aos mais saudosistas, que acompanharam a evolução da série, ao mesmo tempo que a apresentação simplificada e de dificuldade gradual consegue atrair novos entusiastas.

Infelizmente nem tudo são glórias dentro do Império Romano. A interface gráfica, apresenta alguns problemas, ao invés de facilitar a vida do jogador acaba atrapalhando um bocado. Os sub-menus são muito intrusivos e persistentes, mesmo depois de selecionado o objeto desejado, o menu permanece aberto ocupando parte da sua tela.

Na mesma onda da interface mal elaborada está a falta de uma quantidade maior de teclas de atalho. E com todos os problemas tendem a estar inter-relacionados, este uso excessivo do mouse, evidencia como o uso deste periférico é impreciso, dificultando muito a colocação dos itens no mapa.

No final das contas Caesar apresenta-se como um bom título do gênero e um excelente avanço da franquia. Resta saber se os problemas evidentes nesta versão serão eliminados em um futuro lançamento da série.