Pode ser que você já tenha conhecido alguém, com mais de 20 anos de idade, que matou muita aula e “perdeu” bastante tempo dentro dos fliperamas, em meio a grandes títulos, muita fumaça de cigarro e amigos muito mais velhos e mal-encarados do que você. Nos anos 90, para quem gostava de games, as casas de arcades eram um templo obscuro e sagrado dedicado única e exclusivamente aos jogos eletrônicos.

Além disso, era um lugar no qual você tinha acesso a jogos que não podia aproveitar em casa, devido à falta de capacidade do Super Nintendo, SEGA Genesis ou até mesmo do PlayStation. Os ports eram poucos e, normalmente, péssimos, servindo apenas para dar mais vontade de jogar os títulos “de verdade”.

Com as redes online dos consoles e o fim da distribuição de jogos obrigatoriamente em disco, algumas empresas resolveram olhar para o passado e relançar algumas das pérolas dos fliperamas. É o caso, por exemplo, de The Simpsons Arcade Game, um dos maiores clássicos dos fliperamas que chegou aos consoles há poucos meses. Nesta lista, indicamos sete maravilhas que deveriam estar à nossa disposição novamente.

Die Hard ArcadeDuro de matar cooperativo

Os primeiros jogos de fliperama tridimensionais tinham uma programação bastante complexa que, ainda hoje, é difícil de emular. Isso apenas torna Die Hard Arcade um título ainda mais obscuro, principalmente quando se leva em conta que ele, na verdade, não tem nada a ver com a franquia de filmes “Duro de Matar”.

Apesar da trama também se passar em um prédio parecido com o Nakatomi Plaza, o enredo exibe uma dupla de policiais que luta sozinha contra uma série de bandidos que sequestraram a família do presidente. Um enredo clichê para um bom Beat'em Up.

Time CrisisTiroteio com algo a mais

Os jogos de tiro sobre trilhos sempre tiveram uma jogabilidade mais ou menos padronizada: bastava atirar sem parar contra os inimigos da tela e atirar para fora dela na hora de recarregar a arma. A Namco Bandai resolveu inovar essa fórmula com Time Crisis, que também incluiu um modo de cobertura e gráficos tridimensionais.

Além de contar com uma arma que se movimentava de verdade a cada disparo, a máquina de fliperama contava com um pedal que controlava o recarregamento da pistola e o sistema de proteção. A ideia deu certo e se transformou em uma franquia que, infelizmente, não rendeu sequências muito boas. O primeiro Time Crisis, porém, ainda é um clássico e merecia ser relançado, mesmo sem a necessidade de um pedal.

Teenage Mutant Ninja Turtles: Arcade GameO melhor Beat‘em Up de todos os tempos

A infância de qualquer um que nasceu nos anos 80 deve ter tido as Tartarugas Ninjas como elemento fundamental. E, para muitos dessa geração, não havia nada mais divertido do que reunir quatro amigos em volta de um fliperama para enfrentar o Destruidor nesse título da Konami, que é considerado por muitos como o melhor Beat'em Up de todos os tempos.

Turtles in Time é legal (o original, não oremake recente em alta definição). Teenage Mutant Ninja Turtles: Arcade Game, porém, é a pedra fundamental dessa franquia e um game lembrado com carinho mesmo mais de 20 anos depois de seu lançamento.

Cadillacs and DinossaursExtinção com as próprias mãos

Imagine um mundo no qual os dinossauros ainda existem e convivem com gangues de marginais e bandidos terríveis. Isso é Cadillacs and Dinossaurs, game lançado em 1993 pela Capcom que se transformou em um dos títulos de fliperama mais clássicos da companhia. Infelizmente, ele nunca saiu dos arcades.

Produzido para servir de apoio a um desenho animado transmitido nas TVs do Japão, o título contava com quatro protagonistas e uma série de armas e itens para serem coletados. A jogabilidade era mais fluída do que em títulos como Final Fight, por exemplo, e você ainda contava com a sensacional aparição de velociraptors chamados de Hooper ou de triceratops de fogo.

Spider-Man: The Video GameUma mistura de estilos

Em uma salada que pode parecer estranha em um primeiro momento, Spider-Man: The Video Game levava aos arcades uma união entre Beat'em Up e Side Scroller. O Homem-Aranha e inimigos não só apareciam gigantescos na tela, como o herói estava unido com outros personagens clássicos, como Namor, Gavião Arqueiro e Gata Negra.

O resultado é um título fenomenal, que destoava do restante dos jogos da época, e épico o bastante para ficar na memória de muita gente. Spider-Man: The Video Game trazia um modo cooperativo para até quadro jogadores e Venom logo na primeira fase.

Super SidekicksA próxima glória

Você já imaginou jogar futebol como se fosse um game de tiro? Era isso que proporcionava um dos modos de ataque da série Super Sidekicks, lançada pela SNK e símbolo de futebol nos fliperamas. Com três sequências, o título teve versões lançadas apenas para o Neo Geo, console que era nada mais do que uma máquina de arcade caseira.

Ao contrário do que estávamos acostumados a ver nos video games caseiros, Super Sidekicks apresentava efeitos sonoros bem refinados para sua época, com narradores, torcida e comemorações bem elaboradas. Um clássico de uma era pré-FIFA.

Alien Vs. PredatorETs e humanos se unem contra um inimigo comum

Em mais um de seus clássicos dos fliperamas, a Capcom uniu dois monstros assustadores do cinema e colocou-os para brigar. Ao lado de humanos roboticamente modificados, os Predadores levam a ação para as ruas de uma cidade dominada pelos Aliens, que estão tentando tomar conta da Terra.

Assim como muitos jogos clássicos, esse também nunca saiu dos fliperamas. Um port para o SEGA 32X até chegou a ser anunciado, mas a Capcom nunca mais falou no assunto. Com o retorno de filmes baseados nas franquias, talvez seja o momento oportuno para a desenvolvedora liberar o título nas redes online.

Acha que alguma potência dos fliperamas ficou de fora dessa lista? Deixe suas ideias nos comentários.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!