Apesar de os video games serem um meio audiovisual relativamente novo, especialmente se o compararmos com o cinema, esse meio apresenta desde seu começo características pouco exploradas por outras mídias. O maior exemplo disso é a existência de franquias extremamente duradouras que continuam a influenciar muito do que é produzido atualmente.

Img_normal
Por mais que o tempo passe, existem séries que conseguem manter a sua popularidade durante uma grande quantidade de tempo, sem que isso pareça ter uma data para acabar. Exemplo maior disso é Mario, o famoso mascote da Nintendo que, desde 1985, é sinônimo de games de plataforma e nunca foi realmente superado por qualquer um de seus rivais.

Neste artigo, procuramos citar alguns dos nomes mais influentes e duradouros do mercado que, mesmo enfrentando algum tipo de dificuldade em suas trajetórias, parecem que vão continuar vivos durante muito tempo.

O que torna um game duradouro?

Determinar os fatores que tornam um game parte da memória coletiva não é exatamente uma tarefa fácil, por mais que certos pontos surjam para justificar essa posição. Atributos como uma jogabilidade precisa, técnicas de narração inovadoras e personagens carismáticos contribuem muito para isso, mas não necessariamente resultam em títulos que vão resistir ao teste do tempo.

Talvez o caráter que melhor sirva para determinar se um título vai ser duradouro ou não é o seu número de vendas. Como antes de qualquer coisa a indústria dos games precisa de lucros, é normal que só ganhem sequências as produções que geraram algum resultado financeiro positivo — e até mesmo nesse caso há exceções.

Img_normal
Exemplo disso são os games da série The Elder Scrolls, que até o lançamento de Oblivion agradavam somente a um nicho bastante específico de jogadores. Somente com a chegada de Skyrim é que a série se tornou verdadeiramente popular e teve seus méritos reconhecidos por grande parte dos meios especializados.

Mantendo a inovação

Outro meio através do qual muitos games se mantêm relevantes é através de mudanças constantes em seu foco. Um belo exemplo disso são as produções de Hideo Kojima que, apesar de compartilharem temas em comum, sempre procuram brincar com a expectativa dos consumidores.

Img_normal
Toda a série Metal Gear Solid é prova disso: apesar de manter a mecânica básica, refinada ao longo de cada novo jogo, a franquia sempre tenta mostrar algo de novo. Em Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty, Kojima quebrou expectativas ao apresentar Raiden como protagonista no lugar de Solid Snake — estratégia que prosseguiu no terceiro game, em que o foco da trama passou a ser Big Boss.

Claro, não é possível esperar que um game consiga permanecer totalmente original durante toda a sua vida, mas é indispensável adicionar novidades a uma fórmula para mantê-la fresca. Como exemplo disso é possível citar FIFA, que, após anos amargando perdas para o rival Pro Evolution Soccer, sofreu uma grande reformulação em sua jogabilidade — a competição entre os dois continua forte, mas o título da Electronic Arts ganha cada vez mais espaço entre os jogadores.

Reinventando a roda

Há casos em que a mera manutenção de uma fórmula ou a incorporação de novidades não é suficiente para manter um nome vivo no mercado. Tomb Raider, por exemplo, deve ganhar uma nova cara pelas mãos da Crystal Dynamics.

Img_normal
Outras séries também tiveram que passar por situações semelhantes para permanecer relevantes. Nomes como Castlevania, Metroid e Donkey Kong geraram títulos de sucesso ao incorporar novos pontos de visão ou ao ter suas raízes resgatadas por empresas interessadas em renová-los.

Uma estratégia interessante nesse sentido foi incorporada pela Electronic Arts na série Need for Speed. Recentemente, a empresa decidiu dividi-la em três estilos diferentes de jogabilidade, deixando cada um sob a responsabilidade de um estúdio — o resultado foi o lançamento de versões com subtítulos como Shift e The Run, cada uma visivelmente distinta das demais.

Img_normal
Uma nova mudança de rumo da série deve ser visto em breve com o lançamento de Need For Speed: Most Wanted. Desenvolvido pela Criterion Games, o novo título tem tudo para apresentar elementos inéditos à franquia, tirando muito proveito do que o estúdio aprendeu durante a criação de Burnout.

Redefinindo gêneros

O que ajuda uma série a se manter sólida no mercado também é o grau de novidade que ela trouxe durante seu lançamento. Enquanto games como Devil May Cry e God of War ajudaram a estabelecer regras básicas para jogos de ação em ambientes tridimensionais, Assassin's Creed e Grand Theft Auto se destacaram por explorar de maneira surpreendente um mundo aberto — elementos como esses ajudaram a tornar esses nomes extremamente reconhecidos, o que resultou na criação de diversas sequências.

Img_normal
Da mesma forma, produções como Half-Life e Call of Duty tiveram grande influência sobre o gênero FPS, cada uma à sua maneira. Enquanto o primeiro jogo mostrou como a narrativa poderia ser incorporada à jogabilidade, o segundo estabeleceu os padrões seguidos por esse estilo atualmente: cenas cinematográficas, energia recuperável e multiplayer online com sistema de níveis.

Outro exemplo de título que redefiniu o mercado é World of Warcraft. Lançado em 2004, o game da Blizzard virou sinônimo de MMORPG, criando um verdadeiro manual de regras que devem ser seguidas por qualquer produtora que queira desenvolver um título de sucesso no estilo — apesar do desgaste relacionado ao seu grande tempo de vida, o game continua recebendo atualizações capazes de manter milhões de pessoas presas a seu universo.

Gears of War até hoje serve como modelo para jogos de ação em terceira pessoa por ter virado símbolo da jogabilidade baseada no uso de coberturas. Apesar de não ter sido o primeiro título a incorporar um sistema do tipo, a produção da Epic Games virou um marco por ter sido pioneira em sua utilização correta.

Sobrevivendo do passado

Também não é possível ignorar que muitas franquias de peso não sobrevivem de seus méritos atuais, mas sim dos frutos de um passado brilhante. O maior exemplo nesse sentido é Sonic, que penou para se adaptar ao mundo tridimensional e conta com diversos fracassos de crítica em seu currículo.

Somente com o lançamento de Sonic Generations é que o ouriço da SEGA voltou a ter algum respeito nos tempos atuais. Mas, para isso, foi necessário que o jogo voltasse às suas origens e deixasse de lado tentativas de incorporar elementos novos que não funcionam da maneira esperada.

Img_normal
Há até mesmo quem argumente que a série The Legend of Zelda está prestes a se tornar esse tipo de jogo. A recepção um tanto quanto morna à Skyward Sword em alguns meios fez com que muitos se perguntassem se já não era hora de a Nintendo repensar a fórmula estabelecida em Ocarina of Time, que está sendo reutilizada (com as devidas adaptações) até os dias de hoje.

Da mesma forma, nomes como Street Fighter e Mortal Kombat, durante muito tempo, sobreviveram dependendo da memória de seus fãs. História que só mudou recentemente, com o lançamento de títulos que incorporavam novos elementos, mas que não deixavam de lado as características responsáveis pelos sucessos do passado.

Aposta arriscada no que é seguro

O maior risco que séries consagradas enfrentam é o de parar no tempo, apostando somente na repetição de uma fórmula que parece dar certo independente da situação. Games como Pokémon e Dragon Quest mantêm seus sistemas de jogo praticamente inalterados desde as suas versões iniciais — algo que parece não tê-las prejudicado em nenhum sentido.

Img_normal
A Blizzard talvez seja o nome que melhor consegue oferecer aos jogadores experiências não necessariamente inovadoras, mas que apresentam elementos tão polidos que fica difícil criticá-las. Games como StarCraft 2: Wings of Liberty e Diablo III provam que, mais do que inovar, a empresa sabe como ajustar uma fórmula consagrada para torná-la ainda melhor.

Também há casos em que apostar nas mesmas fórmulas pode se provar algo arriscado. Como exemplo, podemos citar Resident Evil: apesar de no quarto capítulo da série principal a série ter se reinventado completamente, há quem reclame que, já a partir de Resident Evil 5, a Capcom começou a perder o rumo novamente.

Infelizmente, a opção pela repetição pode decretar até mesmo a morte de personagens consagradas, cuja importância no mundo dos games é inegável. Exemplo mais emblemático disso é Mega Man, que não deve figurar em nenhum título próprio em um futuro muito próximo.

E para você, quais as franquias mais sólidas do mercado?

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!