Jogos são sinônimo de diversão e competitividade saudável entre os seres humanos. Quer dizer, em grande parte das vezes, a seriedade da vida é colocada como um par de sapatos ao lado da porta de entrada de universos lúdicos e imersivos — e o negócio é pegá-lo novamente apenas na saída. Mas, ei! Isso provavelmente não significa que não deva existir alguma organização, tanto em relação ao desenvolvimento quanto no que se refere ao comportamento dos nossos bons companheiros de jogatina, certo?

Afinal, quem nunca perdeu a paciência com um serviço online “lagado” ou que é desativado em pouco tempo? Ou com jogos que são vendidos “em prestações” (DLCs) — em grande parte das vezes apenas para virá-lo de ponta-cabeça, a fim de fazer cair mais algumas moedas. Além disso, comprar um jogo dando parte substancial do seu suado dinheiro para impostos é algo bem pouco convidativo.

Img_normal
Ou, por outro lado, sujeitos inconvenientes que infestam universos online com trollagens como friendly fire ou abandonos prematuros de partidas — quer dizer: “Se a coisa já ficou feia mesmo, por que continuar aqui apanhando?”, pensam os infelizes com tão pouca habilidade quanto espírito esportivo.

Dessa forma, o Baixaki Jogos resolveu elencar alguns “direitos” e “deveres” dos gamers, por assim dizer. Trata-se de regras de boa conduta que devem ser levadas a sério sempre — ou , vá lá, quase sempre. Afinal, alguém precisa botar ordem nessa enorme casa de pixels, certo? Enfim.

Direitos do jogadorAcertando os ponteiros entre gamers e desenvolvedoresCom a evolução da indústria de games, é natural que alguns padrões acabem excluindo, dando lugar a outros, em um desenvolvimento quase sempre sadio... Quase. Na verdade, se por um lado questões como “interconectividade” trazem consigo possibilidades de corrigir/expandir a experiência original de jogo, por outro traz consigo manobras mercadológicas no mímino questionáveis.

Img_normal
O “yin-yang” da coisa? DLCs caça-níqueis, ambientes online que não funcionam como deveriam e por aí vai. Isso para não falar nos cenários tridimensionais, que trouxeram consigo um problema típico: a ação das câmeras. Vamos à lista.

  • Todo jogador tem o direito de pagar um preço razoável por jogos e consoles

Sem descambar para aquela famosa propaganda do “quer pagar quanto”, é impossível desconsiderar que o que se paga hoje por um jogo ou console, pelo menos no Brasil, vai obviamente além do minimamente razoável — sobretudo para lançamentos.

Naturalmente, boa parte do seu investimento acaba peneirado por uma alfândega/buraco negro que, embora seja obviamente necessário, bate recordes constantes com porcentagens absurdas. Dessa forma, sim, todo jogador deve ter direito a pagar uma quantia razoável por uma boa aquisição.

  • Todo jogador tem o direito de não ter o seu jogo vendido “em prestações”

DLCs são ótimos. Trata-se do desdobramento óbvio de novas possibilidades de conexão e armazenamento — algo absolutamente impensável há algumas gerações. Entretanto, quando passa a ser necessário gastar mais dinheiro pelo que parece ser simplesmente uma parcela do jogo — na forma de uma montaria, de armas coloridas ou qualquer coisa do gênero —, há um problema. Ou, pelo menos, algo que deveria ser discutido.

Img_normal
Quer dizer, parece razoável pagar uma quantia extra por itens essenciais ao jogo (excetuando o esquema de microtransações, talvez)? Ou, pior, parece sadia a ideia de abrir a carteira para adquirir... O final do seu jogo?! Enfim, instalou-se, ao que parece, uma indústria caça-níqueis amparada na boa infraestrutura do ambiente online.

  • Todo jogador tem o direito a uma câmera que funcione adequadamente

Eis um equívoco de programação mais velho do que andar para trás. Com o advento dos universos de jogo tridimensionais (expansão óbvia da experiência original dos games), a perspectiva, ou a “câmera” dos jogos, passou a flutuar constantemente entre o bom funcionamento... E um verdadeiro chute em partes sensíveis.

Ok, é verdade que algumas questões aqui são bastante subjetivas. Entretanto, ao ver uma câmera travando ou ocultando a ação de forma tosca, fica a pergunta: como esses equívocos básicos ainda podem ocorrer?

  • Todo jogador tem o direito de poder trocar seus jogos à vontade, sem perder conteúdos durante o processo

Boa parte das produtoras atuais iniciou uma verdadeira cruzada contra o comércio de usados. O argumento é óbvio: nessas subvendas, desenvolvedores e publicadores simplesmente não tomam parte nos lucros.

Img_normal
Dessa forma, nascem os códigos intransferíveis para conteúdos exclusivos e outras medidas “controversas”. Bem, é de se esperar que algo acabe por regular essa tendência... Ou — quem sabe? — você ainda terá que pagar algo à Volkswagen ou à Fiat sempre que for vender um carro usado.

  • Todo jogador tem direito a usufruir do seu jogo mesmo sem se conectar a ambiente online

Outra cruzada das publicadoras diz respeito ao controle da pirataria, algo obviamente necessário e nobre. O problema é que, às vezes, quem paga por jogos originais acaba também “pagando o pato”. Afinal, será mesmo um incentivo antipirataria obrigar jogadores a se manter constantemente em conexão com servidores... Mesmo em campanhas solo? Complicado.

  • Todo jogador tem direito a um tempo minimamente razoável de suporte online

Img_normal
Há alguns bons anos, simplesmente não havia um prazo de validade para que um jogo funcionasse em ambiente online. Afinal, em jogos como Age of Empires, frequentemente era o seu PC que acabava como servidor e, portanto, bastava convidar alguns bons amigos. Com os consoles modernos não é assim, é claro.

Sim, há mais estabilidade (na maior parte das vezes) e funções extras (troféus, conquistas e afins). Mas o tempo de suporte com certeza não é mais o mesmo — que o digam os jogadores de Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots.

  • Todo jogador tem direito a modos online sem lags

Se é para fornecer um ambiente online restritivo (e quase sempre pago), então que seja bem feito, certo? Afinal, jogar um FPS como se fosse uma projeção de slides não é algo muito saudável...

Mandamentos do gamerAlgumas regras de boa convivência entre os jogadores

  • Tu não piratearás

Algo que alguma ética resolve facilmente. Quer reclamar da indústria? Exigir melhores preços e serviços melhores? Bem, então comece honrando o trabalho árduo das desenvolvedoras.

Img_normal

  • Tu não distribuirás spoilers

Típico descuido do jogador entusiasmado, sobretudo quando acabou de fechar algo. “Então você não sabia? Sim, o fulano morre ao final com uma grande explosão! Épico!”. Evite ser esse cara.

  • Tu não adotarás postura anticompetitiva (não apelarás)

Img_normal
Competir é bom. Ganhar talvez seja melhor ainda — mas não às custas de apelação. Em outras palavras, arremessos infinitos em Super Smash Bros.podem garantir a sua vitória... Mas será que ela vai mesmo valer a pena? (Ok, vai depender de quão maquiavélico você seja aqui).

  • Tu não serás “aquele cara”

Img_normal
Todo mundo conhece “aquele cara”. É o sujeito absolutamente viciado em um jogo, que domina cada pequeno detalhe e possibilidade e que não faz questão alguma de auxiliar para uma competição saudável — chegando, quase sempre, a “cheatar” o jogo. Evite se encaixar aqui. Toda a competição tem seu valor.

  • Tu não ostentarás tuas habilidades

Simples desdobramento do ponto anterior, na verdade. Trata-se do jogador fanático com tendências a fazer propaganda dos próprios conhecimentos, algo que realmente pode ser inconveniente. Já diz o velho e conhecido refrão: “Não fale. Faça”.

  • Tu não matarás teu amigo quando em cooperação

Após algum tempo de jogatina online, talvez o seu parceiro de algum lugar do mundo simplesmente se canse da aventura — ou da sua falta de jeito. Nesse momento, ele pode acabar tentado a jogar tudo para o ar e metralhá-lo, mandando pelo ar toda a diversão.

  • Tu não darás preferência a ambiente online quando em companhia de bons amigos

Img_normal

O ambiente online trouxe ótimas funcionalidades? Com certeza. Mas deixar de encontrar amigos para uma saudável jogatina local para acabar enfurnado na internet? Enfim, companhias reais são (quase) sempre melhores que as virtuais.

  • Tu doutrinarás tua esposa (ou teu esposo) na arte do sagrado ofício

Você gosta de video games e, portanto, sua contraparte também deveria. Não, não se trata de impor nada, naturalmente. Mas... Por que não sugerir alguns bons jogos? Casal que joga unido permanece unido, certo?

  • Tu não chorarás sobre o leite derramado

Perdeu? Que pena, parta para outra. Maus perdedores podem ser chatos e terrivelmente inconvenientes. O melhor é treinar mais para tentar bater o adversário com algo além de “eu perdi porque isso, aquilo e aquilo outro!”. É claro: vale não ferir o mandamento “Não seja ‘aquele cara’” aqui.

  • Tu não largarás partidas pela metade

Img_normal
Trata-se aqui quase de um complemento do mandamento anterior. Maus perdedores — sobretudo protegidos pelo anonimato da grande rede — tendem a abandonar partidas (seja de FIFA ou de Street Fighter) pela metade quando veem que a coisa está realmente “russa”. Vão-se os seus pontos... E também a sua paz de espírito.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!