Gráficos pixelizados, jogabilidade de poucos cliques e funcionamento instável. Como é que algo assim consegue conquistar o público e a mídia? Estamos falando de Minecraft, um jogo independente — criado pela mente brilhante de Markus (Notch) Persson — que surgiu como uma simples ferramenta de edição de mundos em blocos, mas que aos poucos foi ganhando novos recursos e que agora invade todos os cantos do planeta.

Apenas no boca a boca e sem estar pronto, Minecraft conseguiu superar a marca de 530 mil licenças vendidas, despertando o interesse de gigantes como a Valve (empresa que convidou Notch para algumas reuniões), Penny Arcade e algumas revistas especializadas em jogos de computadores, transformando-se em um verdadeiro fenômeno do mundo dos games.

É claro que o percurso não foi exatamente suave, uma vez que ele envolveu negociações de publicação turbulentas e também atritos com os serviços financeiros do PayPal, que chegou a reter parte do dinheiro do desenvolvedor (aproximadamente 600 mil euros, de acordo com o que foi publicado no blog oficial do jogo).

Fonte: Fóruns Minecraft, usuário DarkZeroZero

O que é Minecraft?

A ideia é muito simples: segurando o botão esquerdo do mouse você quebra o bloco (objeto) que está sob o cursor e coleta o material liberado (quando permitido, haja vista que alguns elementos e itens exigem ferramentas específicas para serem coletadas). Com o inventário cheio, você passa a modelar, construir e destruir o que bem entender, sem praticamente nenhuma restrição.

Em poucos instantes, os jogadores percebem que têm liberdade praticamente total dentro do game... É como brincar com LEGO, o que pode ser um problema para muitos — que perderão preciosas horas de seus dias, deixarão de dar atenção aos amigos e passarão a encarar a escuridão de quartos fechados por períodos indeterminados.

O pessoal da Penny Arcade chegou a brincar com o poder que Minecraft exerce sobre as pessoas, citando exatamente qual aspecto da fórmula cativa a nossa atenção:

Fonte: Penny Arcade

O universo de blocos

Com o conceito de Minecraft apresentado, vamos ao seu funcionamento básico. Ao entrar no game e criar um novo mundo, você será literalmente largado em qualquer canto (há até mesmo a possibilidade de você “nascer” no topo de uma montanha ou no meio de uma ilha deserta).

Os universos são todos únicos, gerados através de um algoritmo que diferencia regiões, climas, altitudes e outras estruturas. Cada porção de terra é criada exatamente na medida em que o jogador caminha — o que justifica o aumento do tamanho total (em Bytes) dos mapas, exibido na tela inicial. Ao passear, você encontrará montanhas, vales, praias, cavernas (que mostraremos adiante), plantas e outras surpresas.

A calada da madrugada

No entanto, antes de se preocupar em sair passeando livremente — para socar porcos, vacas e galinhas — você deve se ocupar em construir um abrigo. A questão é que o clima calmo de Minecraft perdura apenas pelo dia...

Assim que o sol cai no horizonte e a lua emerge do outro lado, as hordas de inimigos finalmente surgem para pegá-lo. Os oponentes mais comuns são os esqueletos e zumbis, que caminham em sua direção com um único propósito: executá-lo. Os zumbis podem ser considerados como os mais fracos, justamente por não terem ferramentas e por somente tentar alcançá-lo.

Já os esqueletos têm arcos e flechas, caminham silenciosamente e muitas vezes se escondem, fazendo com que os jogadores sejam praticamente obrigados a correr. Aranhas gigantes também tendem a aparecer com a chegada da madrugada, podendo saltar contra o seu peito em décimos de segundos.

Fonte: Minecraft MuseumPor fim, no que diz respeito aos inimigos “comuns”, há o Creeper. Essa criatura solitária e sinistra o observa de longe, muitas vezes se misturando ao restante da paisagem. Ela é resistente à luz solar e não emite som algum. Depois de se aproximar do seu personagem, o Creeper finalmente faz um chiado.

O problema é que o aviso é tardio e significa que você já está praticamente morto: blocos de terra e pedra voam, junto com o seu corpo e com os pedaços de sua casa. O Creeper explode, sem apresentar um pingo de amor próprio. Os monstros em Minecraft são essenciais, afinal, eles não só ajudam a compor o clima tenso da partida, mas como também fornecem elementos cruciais para o desenvolvimento e sobrevivência do jogador.

Começam as construções

Depois de montar um pequeno lar e de passar umas duas noites em segurança (apesar dos gritos e grunhidos que vêm de todos os lados dos cenários), você provavelmente começará a sentir uma vontade incontrolável de expandir a sua habitação. É aí que começa o trabalho de construção e fusão proposto pelo game.

Assim como o Cubo Horádrico em Diablo II, o inventário de Minecraft permite a combinação de itens para que outros sejam obtidos. A madeira da árvore, por exemplo, pode ser retirada da natureza e trabalhada em blocos de tábuas — as quais serão empilhadas no menu para que uma banca de trabalho seja montada (workbench).

Fonte: Minecraft Museum

Com a workbench pronta, o jogador passa a contar com um espaço de 3x3 blocos, no qual serão construídas tochas, armas, armaduras, fogões e uma infinidade de coisas. Os gravetos e o carvão (coletado com uma picareta de pedra ou de ferro, por exemplo) são combinados e transformados em tochas.

O mesmo item pode ser ativado no fogão para cozinhar carnes ou derreter a areia, convertendo-a em vidro. Em conjunto com os outros blocos tradicionais, os quais geralmente podem ser coletados com ferramentas simples ou com os próprios punhos, estes itens mais trabalhados servirão para que o jogador consiga erguer uma verdadeira fortaleza. Mais uma vez, o trabalho da equipe da Penny Arcade consegue capturar perfeitamente o espírito da coisa:

Fonte: Penny ArcadeEmbarcando nas profundezas...

Mais alguns dias se passam e você já está cansado de socar árvores e comer carne de porco. Chega então o assustador e temível momento de explorar as profundezas dos cenários. Os mapas em Minecraft são maiores para baixo da linha do mar do que para cima, o que abre espaço para enormes complexos de grutas e cavernas, as quais se estendem até o manto de lava que permeia o “fim” do mundo.

Apesar de a escuridão servir de abrigo para os monstros (que têm até pontos próprios para serem criados, marcados por uma jaula em chamas), ela também guarda materiais importantes e preciosos. Os mais notáveis são: diamantes, ferro e redstone, a partir dos quais são constituídas armas, circuitos elétricos funcionais, carrinhos de transporte e seus respectivos trilhos ou até mesmo portas reforçadas.

Alguns dos jogadores se dedicaram tanto à esquematização dos circuitos elétricos dentro do game que eles conseguiram replicar chips de calculadoras, processadores básicos, sistemas de segurança por senha para portas e até mesmo armadilhas dinâmicas, responsáveis por derrubar muitos blocos de areia sobre a cabeça dos invasores.

Ainda nas profundezas dos mapas, os jogadores mais experientes encontrarão o Slime. Esse inimigo raro não é dos mais poderosos (e o item derrubado por ele ainda não tem função), mas assusta pelo barulho de lata, desprendido do impacto de seus saltos contra o solo. Quando atingido, ele se divide em outras quatro unidades menores, até que todas sejam aniquiladas.

... Ou no inferno!

Mesmo com tanta coisa já disponível, Minecraft ainda passa por constantes reformulações. Notch considera que o jogo está em estágio Alpha de desenvolvimento, o que justifica a sua venda por apenas 9 euros (estima-se que dentro de pouco tempo este valor seja dobrado).

As atualizações costumavam ser mais constantes no início do projeto, mas menores e menos relevantes em termos de renovação da fórmula do game. Depois do contato com a Valve e da explosão nas vendas observada nos últimos meses, o desenvolvedor se viu praticamente obrigado a montar uma companhia dedicada ao projeto, o que vem desacelerando temporariamente a evolução do código.

No entanto, um escritório já foi encontrado para a nova equipe e as atualizações estão sendo estruturadas em formas de pacotes. O primeiro exemplo foi a edição comemorativa de Halloween, lançada no dia 31 do mês passado. Entre as novidades estão: pescaria, novos monstros, relógios e abóboras temáticas.

Além disso, foram incluídos biomas (diferentes tipos de ambientes, incluindo desertos e regiões mais frias, com neve) e os portais de acesso à dimensão paralela. Essa dimensão paralela é vista como um “inferno” e abriga criaturas pavorosas, além de materiais muito preciosos.

A principal utilização dos portais é a redução do tempo de viagem. De acordo com o que disse Notch, um bloco na dimensão infernal equivale a dezesseis na tradicional.

A importância das modalidades online

Os mundos de Minecraft já estão ganhando novos habitantes, mas a intenção principal do desenvolvedor é povoar servidores com jogadores, transformando Minecraft em um verdadeiro MMO de construção, aventura, exploração e criatividade.

Já há a possibilidade de ingressar em servidores online e construir de forma cooperativa, mas o processo exige a listagem de portas e o estabelecimento de servidores próprios. Para o futuro, haverá monstros, sistema de danos, combates PvP e uma série de novidades. Será somente com a finalização dos modos online que Minecraft deixará a fase Alpha para ingressar no período Beta de desenvolvimento.

Jogadores com um mesmo objetivo

Se você ainda não ficou satisfeito com tudo o que foi apresentado até aqui, saiba que Minecraft ainda abre espaço para as modificações dos jogadores. Em primeiro lugar temos a edição das aparências dos personagens, que podem ser modificadas a partir do documento-base distribuído na página oficial do game. Basta abrir o arquivo no Paint, do Windows, pintar os pontos já preenchidos e fazer upload do modelo para os servidores. Simples assim, e o resultado é bem divertido.

Os usuários mais experientes ainda têm a opção de modificar completamente a aparência da imagem, através das texturas e animações personalizadas. O processo é basicamente o mesmo do requerido para a modificação do personagem, no entanto, os interessados devem ter habilidades para lidar com animações e paciência para enquadrarem todas as texturas de forma harmônica.

Confira o vídeo abaixo, o qual contém uma aparência customizada para os cenários do game:

As maiores criações

Para finalizarmos o especial de hoje, e convencê-lo do potencial de Minecraft, selecionamos algumas das criações mais belas, gigantes ou mirabolantes que vimos nos fóruns oficiais. O primeiro da lista é uma Enterprise — a nave de Jornada nas Estrelas —, reconstituída em uma escala de 1:1, sendo adotado um bloco como equivalente a um metro de comprimento:

Em seguida, uma recriação de um Creeper, mas em tamanho gigantesco. Para este trabalho foram utilizadas folhas de árvores, areia e blocos praticamente inquebráveis de obsidian. A nossa única tristeza foi ver que o criador do vídeo mandou a própria estátua pelos ares dentro de poucos segundos. Ao menos a explosão foi bem arquitetada...

Não há nenhum mecanismo pronto para disparos de objetos. O que os usuários fazem é uma espécie de trapaça com o sistema de explosão, que faz com que o restante das dinamites colocadas sobre uma superfície molhada sejam jogadas para longe, quando já ativadas. Confira um exemplo de “canhão”, dentro de Minecraft:

Os jogadores que se interessarem no projeto podem recorrer ao site oficial de Notch (acesso por meio deste link), que abriga links para o download de versões gratuitas. Completo ou incompleto, a verdade é que Minecraft já é uma das mais agradáveis experiências de jogos disponíveis para PCs.

Aguardamos ansiosamente pelo lançamento das versões finais — ou quem sabe apenas das próximas atualizações, contendo montarias aladas, novos alimentos e blocos de construção, ou ainda itens... A lista prometida por Notch é longa e empolga facilmente quem já embarcou nessa jornada.

Por fim, gostaríamos de lembrar que o projeto é um exemplo a ser seguido dentro do mercado de jogos independentes. O sucesso dele dependeu apenas de uma dose de conhecimento em programação e de uma ótima ideia, inspirada no antigo Infiniminer. Markus Persson já largou o seu trabalho antigo e passou a se dedicar exclusivamente ao desenvolvimento de Minecraft, que se tornou bem mais lucrativo.

Direto da comunidade BJ

Já imaginávamos que alguns de nossos usuários haviam experimentado Minecraft, mas não que alguns já estavam inclusive gravando vídeos e tutoriais, os quais foram postados no YouTube. É o caso do "monark", que criou um passo a passo do game, muito útil para os iniciantes e interesasdos. Não deixem de conferir o vídeo abaixo:

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!