Em maio deste ano, vieram a público alguns documentos da Microsoft que revelavam muitas das possíveis especificações do Xbox 720 (nome que não foi confirmado pela empresa). Como as informações eram datadas de 2010, muitos duvidaram de sua veracidade, ao menos em um momento inicial.

Porém, a revelação da tecnologia Smart Glass (descrita em detalhes nos textos vazados) acabou por reforçar o fato de que muitos dos dados divulgados pela internet poderiam ser reais. Impressão que só foi fortalecida quando a empresa de Steve Balmer, através da firma de advocacia Covignton & Burling, conseguiu que os documentos fossem removidos do site Scribd.

Fonte da imagem: Reprodução/The Verge
Caso as informações vazadas estejam corretas, o Xbox 720 deve ter um hardware respeitável. Entre as características do novo console estariam a capacidade nativa de reproduzir imagens em 1080p, suporte a mídias em Blu-ray e a integração completa com smartphones, tablets e PCs com o sistema Windows.

Project Fortaleza

Porém, muito mais interessante que os gráficos em alta resolução ou a inclusão de uma nova interface é o Project Fortaleza. Mencionado brevemente nos textos vazados da companhia, esse projeto tem o potencial de proporcionar uma nova revolução no que diz respeito a aspectos como jogabilidade e imersão.

Fonte da imagem: Reprodução/NeoGAF
Semelhante ao Project Glass da Google, o novo dispositivo da Microsoft trabalhará com aspectos de realidade aumentada para trazer elementos vistos no Xbox 720 à vida real. Por exemplo, ao jogar uma partida de Gears of War, os inimigos não estariam mais simplesmente na tela de sua TV, podendo surgir atrás do sofá de sua casa ou nos cantos da sala.

A nova tecnologia trabalharia em parceria com a nova versão do Kinect, que, segundo rumores, vai contar com um hardware dedicado exclusivamente ao processamento dos movimentos realizados pelos jogadores. A ideia da empresa é permitir que você realmente se sinta dentro de um game, sem ficar limitado pelos controles tradicionais ou pelas dimensões de seu televisor.

Projeto divido em fases

Assim como aconteceu com o Kinect original, o Project Fortaleza não seria parte da linha de lançamento da próxima geração do Xbox. A estratégia da Microsoft é torná-lo somente a peça-chave que finaliza a união entre o console, PCs, smartphones, televisores e conteúdos disponíveis na nuvem.

Fonte da imagem: Reprodução/NeoGAF
Segundo o documento divulgado na internet, o dispositivo seria lançado somente em 2014, um ano após o novo produto da empresa chegar às lojas. A versão inicial da novidade usaria a tecnologia Wi-Fi para se conectar ao console, permitindo o controle de suas funções e a interação diferenciada com seus jogos.

Posteriormente, em 2015, o Project Fortaleza ganharia um modelo compatível com a rede 4G, o que ampliaria suas possibilidades de uso. Os principais beneficiados com isso seriam games para gadgets portáteis, que poderiam ser jogados de maneiras totalmente diferentes — um jogo que usa realidade aumentada para convencê-lo a explorar diferentes locais de sua cidade em busca de itens é somente um exemplo de como a tecnologia poderia ser usada.

Integração com a LIVE

Segundo os documentos, o novo produto estaria pronto para trabalhar com a rede Xbox LIVE desde o momento em que chegasse às lojas. Através dele, o consumidor poderá obter informações em tempo real relacionadas a pessoas, lugares e objetos da vida cotidiana.

Ao entrar em uma partida de Call of Duty, por exemplo, seria possível ver não só a gamertag de seus adversários como também conferir todos os detalhes públicos sobre eles. Será possível visualizar as conquistas que os jogadores obtiveram no jogo, as horas que ele dedicou ao multiplayer e a lista de games que ele possui associada a seu perfil — tudo isso sem que você precise abandonar a partida em que está.

O Xbox 720 em qualquer lugar

O dispositivo também permitirá o acesso a conteúdos do Xbox 720 em praticamente qualquer lugar do mundo através de técnicas de streaming. Imagine ter que viajar para a praia e, em vez de transportar o console inteiro, levar somente um par de óculos capaz de acessar todo o seu conteúdo — é esse o plano que a Microsoft tem para o futuro dos games, segundo as informações contidas nos documentos vazados.

Fonte da imagem: Reprodução/NeoGAF
Além de transportar elementos de um game para a vida real, o Project Fortaleza funcionará como uma forma de complementar a experiência vista na tela. Em um momento difícil de um jogo, ele vai atuar como um meio de você acessar um site de dicas ou visualizar um vídeo no YouTube explicando como derrotar um chefe difícil.

Segundo os dados contidos no documento, a intenção da Microsoft é explorar a nuvem de forma que os consumidores nunca mais tenham que realizar upgrades de hardware pelo resto de suas vidas. A intenção é permitir o acesso às experiências mais recentes da plataforma a qualquer momento, sem que seja preciso se limitar a somente uma tela ou ambiente específico.

Facilidades para os desenvolvedores

A integração do Project Fortaleza com diversas plataformas seria uma oportunidade de ouro para desenvolvedores interessados em ganhar dinheiro de maneira rápida. O principal motivo para essa facilidade tem um nome: Windows 8.

Fonte da imagem: Reprodução/NeoGAF
Além dos desktops, o novo sistema operacional da empresa vai servir como base para todos os dispositivos produzidos pela companhia em um futuro próximo. Os primeiros tablets baseados na plataforma devem chegar às lojas em breve, incluindo nomes de peso, como o Microsoft Surface Pro.

A próxima versão do Windows Phone também foi construída com base na arquitetura do Windows 8, e é extremamente provável que o próximo Xbox siga o mesmo caminho. Isso vai fazer com que, ao criar um novo aplicativo, uma empresa não precise se preocupar em adaptá-lo para diferentes plataformas — afinal, do ponto de vista do software, todas elas serão virtualmente idênticas.

Especulações sobre a concorrência

Nos textos vazados, a empresa de Steve Balmer também fez especulações sobre os novos produtos desenvolvidos pela concorrência. A companhia acredita que a Sony deve lançar o sucessor do PlayStation 3 em 2013, durante os períodos de vendas de fim de ano, com preço estimado em US$ 399.

A expectativa da companhia era que o Wii2 (na época da criação dos documentos, o nome Wii U ainda não havia sido confirmado) chegaria às prateleiras durante o mesmo período de 2012. O preço esperado para o console da Nintendo seria de US$ 249, algo que condiz com as informações da companhia japonesa de que o novo dispositivo teria um valor surpreendente.

Rumores infundados ou indícios do futuro?

Infelizmente, não é possível confirmar com certeza nenhuma das informações divulgadas até o momento sobre o Project Fortaleza ou o Xbox 720, já que todos os dados divulgados caem na categoria dos temidos e detestados “rumores”.

Algumas circunstâncias ajudam a crer que há pelo menos um pouco de verdade nos documentos divulgados. Entre eles está o já mencionado anúncio do SmartGlass e o lançamento do recurso Xbox Apps para televisores.

Fonte da imagem: Reprodução/The Verge
Porém, em alguns sentidos, o documento parece o fruto dos sonhos mais loucos de um fã da Microsoft. Exemplo disso é o suposto preço de US$ 299 para o pacote que acompanha um aparelho com hardware extremamente poderoso e a versão aprimorada do Kinect.

 O mais provável é que as informações vazadas se aproximem mais de uma “lista de desejos para o futuro” do que algo que corresponda a especificações reais e que já estão bem definidas. Há grande probabilidade de que muitas dos quesitos surgidos até o momento sejam completamente abandonados durante a fase de desenvolvimento do novo produto conforme eles se provem impraticáveis.

Independente de ser real ou não, por si só, o Project Fortaleza é capaz de gerar discussões interessantes sobre o futuro dos jogos eletrônicos? E você, o que espera disso tudo? Acredita que a indústria vai investir mais em integração com outros meios ou pensa que o importante não é mexer nos métodos de interação, mas sim investir em gráficos mais bonitos e no aprimoramento daquilo que já conhecemos?

Fontes: Ars Technica, NeoGAF, TechNews, The Verge

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!