A Microsoft finalmente acabou com o mistério e mostrou ao mundo seu console da nova geração. O Xbox One deixou de ser apenas um rumor e já se tornou uma realidade para os milhões de fãs da empresa em todo o mundo. Afinal, o que todos queriam saber era qual seria a resposta da companhia ao anúncio do Playstation 4 pela concorrência.

No entanto, a conferência de anúncio do sistema dividiu opiniões. Muita gente gostou do que viu e se empolgou com as revelações, enquanto outros ficaram com um misto de frustração e ansiedade para o que está por vir. Isso porque, apesar de ser a apresentação de um novo video game, o que menos vimos no palco foram jogos.

Pode parecer estranho, mas a Microsoft optou por focar seu evento muito mais nas funcionalidades multimídia e demais recursos exclusivos do Xbox One do que em seus jogos e no que o console pode fazer por ele. Muitos torceram o nariz para a decisão, mas não era nada tão diferente daquilo que a companhia já vinha fazendo há alguns anos.


Contudo, mesmo em um número bem menor do que a gente esperava ou gostaria de ver, os jogos estavam lá. Foram anúncios inéditos e detalhes de outros títulos já conhecidos que, apesar de não terem enlouquecido os fãs da maneira que eles queriam, mostraram que a nova geração já começou — e que a E3 será o palco onde as principais revelações serão feitas.

Os exclusivos do OneComeçando a geração com coisa inéditaApesar de não terem sido os primeiros jogos exibidos durante a conferência, os games exclusivos do Xbox One foram os que mais despertaram a curiosidade do jogador. Não apenas pelo fato de que a Microsoft economizou detalhes em seus anúncios, mostrando apenas um trailer ou comentando a proposta em poucas palavras, mas porque eles serão os grandes diferenciais do console em relação à concorrência.

A principal apresentação foi Forza Motorsport 5. Não que ninguém esperasse que a franquia da Turn 10 aparecesse — rumores sobre seu desenvolvimento surgiram dias antes do evento —, mas o que realmente chamou a atenção foi o timing da Microsoft em colocar seus carros na pista. Com o recente anúncio de Gran Turismo 6 e Driveclub para os consoles da Sony, trazer uma série de respeito como Forza para o One deixa claro que a empresa não está para brincadeira e que, assim como aconteceu com o Xbox 360, a briga nesta geração deve ser acirrada.

A parte triste é que não tivemos nenhuma novidade realmente significativa sendo apresentada pelo estúdio, exceto que ele será lançado juntamente com o novo console. Também vimos um trailer que mostra o quão incrível está o simulador, dando muito destaque aos efeitos de iluminação e de textura nos carros e no próprio cenário. No entanto, uma dúvida ficou no ar: as cenas estavam sendo geradas em tempo real ou se tratava de algo pré-computado? A questão dividiu opiniões e, até agora, não há nenhuma resposta definitiva sobre o assunto.

Já a segunda revelação veio para mostrar que o Xbox One não se apoiar somente em sequências e que a Microsoft já pensa em criar franquias inéditas em sua nova plataforma. Para isso, a Remedy subiu ao palco da conferência para mostrar Quantum Break, um misterioso projeto que trouxe mais perguntas do que respostas.

O vídeo que misturava momentos em live-action com cenas do jogo traziam uma história pouco clara e repleta de mistério — o que deve ser uma dos principais atrativos do título. Em um primeiro momento, vemos uma menina que parece ser detentora de algum tipo de poder. Em outro, algum estranho fenômeno cria um desastre envolvendo um navio e uma ponte. Em meio a tudo isso, controle de tempo e um protagonista ainda sem rosto.

E mesmo sendo um anúncio nada claro, Quantum Break foi um dos títulos mais instigantes da conferência. Por se tratar de um projeto da Remedy, a mesma produtora do aclamado Alan Wake, já podemos esperar uma narrativa de qualidade e capaz de prender o jogador de diferentes formas. Mesmo não mostrando nada, o game já ganhou o voto de confiança de muita gente.

Por fim, a Microsoft prometeu trazer nada menos do que 15 títulos exclusivos para o Xbox One somente em seu primeiro ano de lançamento. O mais impressionante é que, deste total, oito deles são séries inéditas, o que torna tudo ainda mais interessante. Ao mesmo tempo, podemos esperar o retorno de mais sete franquias da Microsoft — incluindo uma "série histórica" da Rare.

Ninguém sabe ao certo o que esperar, exceto que as respostas aparecerão na conferência da companhia na E3, o que acontece no próximo dia 10 de junho.

Grandes parceriasDuas gigantes andando lado a ladoPor mais que a participação da Electronic Arts na apresentação não tenha sido nenhuma surpresa — a própria empresa já havia confirmado seus games dias antes —, a quantidade de títulos apresentados compensou a economia feita pela Microsoft. Isso porque a desenvolvedora aproveitou o evento para mostrar ao mundo o novo motor gráfico de suas franquias esportivas.

A partir do EA Sports Ignite, o jogador terá uma experiência totalmente diferenciada ao conferir games como FIFA 14, Madden NFL 25, NBA Live 14 e EA Sports UFC. Isso porque o novo motor gráfico visa exatamente reproduzir situações humanas existentes em cada um desses esportes.


A engine trará uma série de movimentos mais realista e, de quebra, ainda vai ser capaz de dar vida a uma inteligência artificial muito mais próxima daquilo que os atletas encaram nos campos, quadras e octógonos. Questões de comportamento e reações a determinados tipos de situações ficarão ainda mais verossímeis graças à essa tecnologia que estará presente no Xbox One.

E se a EA se focou nos esportes, a Activision veio para mostrar a guerra. O estúdio apresentou ao mundo as primeiras cenas de Call of Duty: Ghosts e, contrariando as clássicas piadinhas sobre a falta de novidades na série, deixou claro aquilo que a nova geração vai trazer de novo para a franquia mais lucrativa da indústria.

Conforme exibido, a produtora decidiu aproveitar a estreia de um novo console para remover alguns conceitos e trouxe vários outros conteúdos inéditos. A principal delas é que o game será totalmente centrado em uma nova história, trazendo personagens inéditos e um mundo totalmente desconhecido para ser explorado.

A Activision ainda revelou que o enredo também será bem mais aprofundado do que nos jogos anteriores, trazendo um foco maior na narrativa e na história de seus heróis. Tanto que o roteirista Stephen Gaghan, de filmes como "Traffic" e "Syriana", ficará responsável pela trama.

Mas a maior diferença — ao menos a mais aparente neste primeiro momento — ficou na parte gráfica. Call of Duty: Ghosts utiliza um novo motor gráfico que se aproveita de uma tecnologia de renderização da Activision capaz de criar modelos e ambientes muitos mais detalhados e realistas. Tanto que o trailer de jogabilidade exibido arrancou elogios e mostrou que a franquia quer realmente se renovar na nova geração.

E como já é de costume, a Microsoft manteve a parceria com a produtora e garantiu que os DLCs de Call of Duty: Ghosts chegarão primeiramente ao Xbox One — repetindo a estratégia presente nos títulos anteriores da série.

E os demais jogos?Muito mais vindo por aíComo a conferência da Microsoft durou pouco mais de uma hora, a empresa não teve tanto tempo para apresentar mais jogos. Por conta disso, outras companhias tiveram de fazer seus anúncios do lado de fora, a partir de comunicados à imprensa ou estampando em seus sites e redes sociais que seus games também chegariam ao Xbox One.

Img_normal
A Ubisoft foi uma delas. A desenvolvedora francesa já prometeu que tanto Assassin's Creed IV: Black Flag e Watch Dogs chegarão ao console da Microsoft e que, além deles, há mais quatro títulos chegando à nova geração — sendo um deles uma franquia inédita.

E se a EA usou seu momento durante o evento para mostrar seus games esportivos, fora dele, a empresa apresentou os futuros títulos que levarão a Frostbite 3 para o console. Confirmando o óbvio, Battlefield 4 também aparecerá no One e virá acompanhado de China Rising, a primeira expansão do FPS.

Já nas pistas, a engine dará vida ao recém-anunciado Need for Speed Rivals. Desenvolvido pela Ghost Games em parceria com a Criterion, o título marca o retorno da Ferrari e da personalização de veículos à série e ainda traz a boa e velha perseguição policial às corridas. De acordo com a EA, o título chega ao Xbox One no final deste ano.

Quem também deu as caras na nova geração foi o quase esquecido Ryse, título da Crytekanunciado em 2011 e que, desde então, nunca mais apareceu. E a desenvolvedora aproveitou o hypecriado em torno do dispositivo para confirmar que o game de gladiadores será mais um exclusivo e que será totalmente controlado a partir do novo Kinect. No entanto, só saberemos mais como ele está ficando na E3.

Img_normal
Para finalizar, Square Enix e Bungie confirmaram que Thief e Destiny também estarão disponíveis no One. Levando em consideração que ambos os títulos já tinham sido prometidos para “sistemas da nova geração”, não há nenhuma surpresa na revelação.

Muito mais por vir

E como a Microsoft garantiu, esse é apenas o começo. Boa parte da conferência da empresa durante a E3 será dedicada a mostrar novos títulos para o Xbox One, o que faz com que o console chegue às lojas já com um bom número de jogos disponíveis. É claro que nada disso é garantia de sucesso, já que lançar uma nova tecnologia é sempre algo arriscado, mas trata-se de uma ótima maneira de deixar o jogador empolgado e mais confiante com o que está por vir.

Portanto, só nos resta esperar até o dia 10 de junho, data em que o maior evento de games do mundo começa de fato e quando conheceremos as verdadeiras armas da Microsoft para este geração. Até lá, só nos resta torcer e imaginar o que vem por aí.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!