Quem acompanhou as notícias nesta semana provavelmente deve ter se surpreendido com a estreia do Ouya, um console de apenas US$ 99 (cerca de R$ 200, na cotação atual) baseado no sistema operacional Android 4.0, no famoso site de financiamento coletivo Kickstarter.

Mais surpreendente que isso, no entanto, foi o montante arrecadado pelo projeto. Enquanto a meta inicial de US$ 950 mil foi atingida em apenas 8 horas, o video game conceitual conseguiu arrecadar mais de US$ 4 milhões em seus primeiros dois dias.

Se o sucesso inicial da plataforma claramente mostra como a ideia é bem vinda entre o público, isso também significa que o Ouya também precisa justificar todo esse investimento. Conheça a seguir os principais desafios do novo console e como ele pode resolvê-los.

Conhecendo a máquinaComo o Ouya pretende entrar no mercado de consoles
A ideia geral de um console de apenas R$ 200 é bastante atraente, mas como é que o Ouya espera que as pessoas o adotem? Veja abaixo as suas especificações oficiais:

  • Processador Tegra 3 quad-core;
  • 1 GB de RAM;
  • 8 GB de armazenamento interno;
  • Conexão HDMI com suporte a 1080p;
  • Adaptador Wi-Fi 802.11 b/g/n;
  • Bluetooth 4.0;
  • Controle-padrão (similar ao do Xbox);
  • Android 4.0

Os mais atentos devem ter notado que o processador Tegra 3 é o mesmo presente no novo Nexus 7, o poderoso tablet do Google previsto para ser lançado neste mês nos Estados Unidos. Mesmo com todo esse poder, no entanto, essas configurações ainda não são suficientes para competir com um PlayStation 3 e um Xbox 360 em termos de processamento.

Fonte da imagem: KickstarterAinda assim, apresentar os títulos mais robustos mercado atual não é a principal proposta do Ouya, mas sim aproveitar a criatividade dos desenvolvedores do setor de jogos para dispositivos móveis (um dos que mais crescem nos últimos tempos) e levar as suas produções para a sala de estar – habitar natural dos video games desde o seu nascimento no final dos anos 80.

Enquanto a Sony e a Microsoft apenas recentemente começaram a investir nesse mercado (com celulares como o Sony Xperia Play e a integração de alguns jogos para Windows Phone à LIVE), a Nintendo se recusa veementemente a autorizar versões se seus títulos clássicos, como Super Mario Bros, para sistemas como o iOS e o Android. Enquanto isso, o Ouya sai disparado na frente ao escolher o Android.

O poder do Android

A essa altura, já é possível perceber que o sucesso do Ouya não veio apenas exclusivamente por conta de seu preço. Afinal, até pouco tempo atrás era possível encontrar o Master System sendo vendido oficialmente no Brasil por R$ 160 e, como todos sabemos, isso não tornou o console um dos líderes do mercado nacional.

Fonte da imagem: KickstarterDesse modo, se há um elemento capaz de causar a diferença, este certamente é o Android. O sistema operacional criado pelo Google já conta atualmente com uma grande biblioteca de jogos. Embora uma porcentagem destes títulos seja composta por títulos ruins e/ou cópias baratas de games clássicos, a plataforma também recebeu sucessos que nasceram no meio mobile, como Angry Birds, Fruit Ninja e Cut The Rope.

O crescimento do sistema como uma plataforma gamer também pode ser notado com a presença cada vez maior de versões de games originários do PC e dos video games, desde novidades como The Amazing Spider Man (cuja versão para Android foi desenvolvida simultaneamente com a de seus “irmãos maiores) até clássicos como GTA III. Tudo isso é benéfico para o Ouya, uma vez que ele já irá chegar com uma linguagem a que os desenvolvedores estão familiarizados.

As pedras no caminhoO desafio de construir uma biblioteca própriaÉ necessário lembrar que os jogos para Android têm seus controles baseados em uma touchscreen – algo presente em todo smartphone que se preze, mas inexistente na maior parte das televisões.

Agora, enquanto alguns conceitos de joystick para Android já foram apresentados antes, é necessário reconhecer que a simples adição de controles não é suficiente para adaptar perfeitamente a jogabilidade de alguns games.

Fonte da imagem: KickstarterPor isso, para garantir o seu sucesso e atrair um público base, o Ouya precisa garantir que haja uma grande lista de opções para gerar interesse entre as pessoas e para que elas possam aproveitar o console quando o comprarem (ouviu, PlayStation Vita?).

A dependência do público

Convencer desenvolvedores a criar jogos para o Ouya ou simplesmente adaptá-los para funcionar no console é que é um dos grandes desafios do sucesso do Kickstarter. Afinal, enquanto US$ 4 milhões foram arrecadados nos primeiros dias, apenas 30 mil pessoas bancaram o projeto até agora – um número pequeno demais para incentivar muitos desenvolvedores a esperar algum retorno de jogos para a plataforma.

Para que isso possa ser solucionado, a fabricante do Ouya realizou uma pesquisa onde 45 mil pessoas deram a sua opinião a respeito de quais jogos elas gostariam de ver no console. A lista completa com os mais votados pode ser encontrada logo abaixo:

  • Assassin's Creed
  • Bastion
  • Battlefield
  • Battletoads
  • Call of Duty
  • Dungeon Defenders
  • Fez
  • FIFA
  • Final Fantasy
  • Grand Theft Auto
  • League of Legends
  • Limbo
  • Mass Effect
  • Minecraft
  • Need for Speed
  • Skyrim
  • Super Meat Boy
  • Terraria
  • Timesplitters
  • Torchlight

Agora, uma segunda parte da pesquisa pede aos interessados no console para descobrir quais desses jogos são os mais desejados pelo público – algo bastante importante, uma vez que os escolhidos podem ser incentivados a desenvolver a compatibilidade com o Ouya.

Será que veremos algo assim no Ouya?Ainda assim, é necessário lembrar que por mais que isso ajude a trazer franquias consagradas como Assassin’s Creed e Mass Effect ao console, dificilmente, todavia, eles trarão toda a qualidade gráfica de seus últimos títulos. Isso não impede, contanto, que títulos clássicos e até mesmo spin-offs (aos moldes de Assassin’s Creed: Liberation, do PlayStation Vita) aportem na nova plataforma.

Mesmo com nenhum detalhe revelado até o momento sobre a biblioteca oficial do Ouya, 53 mil pessoas (até o término desse artigo) já acreditam no Ouya e o compraram antecipadamente pelo Kickstarter.

E você, acha que o Ouya irá mudar o mercado de games ou acredita que ele será mais um investimento sem sucesso?

Aguarde... Carregando a enquete.

 

Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!