Se você não joga Magic: The Gathering, ao menos já deve ter ouvido falar do jogo de cartas criado pela Wizards of the Coast. Lançado originalmente em 1993, o game é um dos mais populares de seu gênero e reúne milhares de fãs em diversos países – incluindo o Brasil, onde foi lançado oficialmente em 1995.

Apesar de ter fama de complexo (pois, de fato, é), o game se baseia em fundamentos bastante simples. No caso, dois jogadores (cada um com 20 pontos de vida iniciais) se enfrentam, cada um com o seu próprio baralho (ou deck, como é chamado no game). A partir daí, é necessário utilizar as suas cartas para fazer com o que seu oponente perca todos os seus pontos de vida ou fique sem mais cartas em seu deck.

Desde 2010, no entanto, o jogo não está limitado apenas ao plano físico. Afinal, foi neste ano que saiu a primeira versão para video games Magic: The Gathering – Duels of the Planewalkers. Desde então, a série tem recebido novas versões anualmente, sendo que a última edição foi lançada no final do mês passado. Pronto para as novidades?

aprovado

Novatos são bem vindos

É difícil conhecer Magic: The Gathering e não se interessar pelo seu universo. Enquanto suas cartas são famosas por conter belíssimas ilustrações, as cartas de personagens e criaturas apresentam textos que revelam a fascinante história do mundo de Magic. Contudo, aprender todas as suas regras sozinho pode ser bastante intimidante – algo que leva muita gente a manter apenas um interesse distante.

A edição digital do jogo, por sua vez, é uma maneira bastante interessante e amigável de apresentar toda a riqueza desse universo. Logo no início, por exemplo, o game questiona qual o histórico do jogador com as famosas cartas.

Para quem nunca jogou, por exemplo, o jogo não apenas diminui a dificuldade da inteligência artificial dos oponentes, como também apresenta um tutorial completo sobre a mecânica do game e suas regras. Além disso, nesse modo explicações a respeito das diversas habilidades e tipos de cartas disponíveis também aparecem sempre que conveniente, fazendo com que até o mais perdido dos jogadores se sinta à vontade.

Além disso, quem não sabe inglês pode ficar feliz em saber que as cartas de Magic também se encontram em português nessa versão digital. Além das mesmas traduções utilizadas nas versões físicas das cartas, todas as animações e textos presentes no jogo também estão disponíveis em nosso idioma.

Pequenas mudanças, grandes diferenças          

Quem já está acostumado com o jogo e conheceu as suas versões anteriores também ficará feliz ao encarar Duels of the Planeswalkers 2013. Desde melhorias na inteligência artificial das dificuldades mais avançadas, há também novidades em sua mecânica que vieram para ficar.

A mais notável delas, sem dúvida, é a possibilidade de poder selecionar quais terrenos serão virados ao acionar qualquer carta. Enquanto em decks que utilizam apenas um tipo de terreno a habilidade é indiferente, para aqueles que preferem baralhos multicoloridos essa opção faz uma diferença enorme.

Além disso, antes e depois de cada duelo o game também apresenta atalhos para a tela de personalização de deck. Parece algo pequeno, mas ao se considerar que até o ano passado era necessário voltar ao menu inicial toda vez que o jogador desejasse modificar o seu baralho, isso economiza muito tempo.

Uma campanha para ninguém botar defeito

A campanha completa de Duels of the Planeswalkers 2013 é bastante extensa e irá exigir dedicação dos jogadores. Enquanto não existe um enredo fixo (em vez disso o game apenas apresenta o histórico de seus oponentes), não há o que reclamar em termos de jogo.

Além dos oponentes, que habilitam novos decks à medida que são derrotados, há também os Encontros – eventos especiais em que o jogador é confrontado por inimigos que utilizam sempre a mesma estratégia, sendo necessário contorná-las para obter a vitória – e os Desafios, nos quais o jogador é convidado a resolver uma situação complicada em um limite pré-determinado de turnos.

reprovado

Reforma agrária já!

Enquanto os decks de Magic: The Gathering precisam comportar 60 cartas, o jogo configura um número fixo de 24 cartas terreno (necessárias para baixar e ativar outras cartas durante as partidas). Enquanto para os novatos isso pode até ser benéfico, uma vez que é um fator a menos para se preocupar na hora de personalizar a sua estratégia, isso é capaz de incomodar bastante quem mais experiência.

vale a pena?

Esta não é a primeira vez que Magic: The Gathering ganha uma versão para os video games. Desse modo, muita gente tem curiosidade em saber o que há de diferente nesta edição para justificar um novo lançamento dentro da série.

Enquanto a mecânica principal de Duels of the Planeswalkers realmente sofreu pequenas alterações, é no mínimo injusto dizer que este é o mesmo jogo de antes, apenas com a adição de novas cartas e decks. Isso porque as mudanças realizadas aqui tornam a experiência muito mais agradável para todo mundo.

Assim, graças a todas as novidades encontradas nesta edição, é possível dizer que Duels of the Planeswalkers é a melhor adaptação de Magic: The Gathering até hoje. Seja você um total inexperiente ou um veterano no jogo criado pela Wizards of the Coast, essa é a sua melhor opção caso deseje aproveitá-la nos video games.