Scribblenauts foi a grande estrela do Nintendo DS neste ano, sendo um dos destaques da E3, obviamente com um ótimo motivo para isso. A proposta do jogo é oferecer desafios com o objetivo de coletar Starites (estrelinhas) que devem ser solucionados pelo jogador correspondendo ao lema: pense, escreva e solucione.



O estúdio de desenvolvimento responsável pelo Scribblenauts, a 5th Cell, dedicou uma equipe inteira durante mais de seis meses apenas na tarefa de procurar palavras que foram organizadas em grupos, ou classes. Simplesmente pegue a
 estrela, de qualquer jeito

Você pode encontrar diversas classes de objetos a serem utilizados no game como mamíferos, ferramentas, armas, plantas e por aí vai, que atendem a um padrão de comportamento dentro do jogo. Um exemplo mais básico é que todas as armas de fogo de alguma forma disparam e causam danos, existindo variações para como isso funciona em cada arma específica.

Após estar claro como tudo iria funcionar no jogo, restou aos criadores  começar a montar um modelo de personagem/objeto para cada palavra junto com os sons que “algumas das palavras” fazem quando são invocadas ao game. A quantidade necessária de figuras e sons é logicamente assustadora, pois Scribblenauts visa atender ao desejo de fazer tudo que você escreve aparecer na tela e por isso um padrão bem simples de gráficos foi adotado com qualidade o suficientemente boa para atender ao mercado.

Voltando ao mundo dos jogadores: quando você ingressa no jogo, na tela inicial encontra Maxwell, o personagem principal, parado no meio de um campo de grama. No leito dessa tela você pode dar início ao jogo, mas antes é possível brincar livre de qualquer compromisso no cenário em que o protagonista está.

Intuitivamente, você vai tentar mover Maxwell e ao arrastar a caneta pela touchscreen o bonequinho vai andar. Depois disso, falta descobrir o que significam o caderno e a figurinha de uma montanha no topo do cenário, supondo que você esteja evitando o botão para iniciar a coisa toda.

A figurinha serve para acessar uma opção especial para alterar o cenário da tela principal, já o caderno é o elemento mais importante em Scribblenauts e sempre está disponível em todas as fases. Como não tínhamos começado a jogar ainda, não foi possível mudar o cenário e então fomos direto para o que interessava: clicamos no caderno e escrevemos "gato" - nada aconteceu. Então, colocamos “cat” e um gatinho preto surgiu começando a miar. Logo em seguida, escrevemos “bird” e o gatinho atacou o passarinho que sumiu após ser derrotado pelo felino.

Também ficamos ligeiramente decepcionados no começo, já que supostamente o game tinha suporte para o idioma português. Mas, bastou clicar no “Iniciar” e fuçar nas ferramentas do jogo, em um ícone indicado por uma chave-inglesa e uma engrenagem, para ver que não somente você pode escolher a língua portuguesa como também francês e espanhol.

Portanto, Viva! Scribblenauts é em português, com todas as palavras esquisitas como “chupacabra” e algumas de origem estrangeira sem tradução como “jetpack”, “Kraken” ou “Chuck Norris”.
É claro que há muitas restrições de palavras neste título, disponibilizado com classificação livre. Então, você não pode escrever palavras feias, nem nome de companhias, marcas ou pessoas (com pequenas exceções), porque isso poderia violar direitos autorais ou adicionar conteúdo impróprio para crianças.

De qualquer forma, muitas coisas podem ser escritas para ajudar a solucionar os puzzles - ou não... Você certamente vai querer brincar de simplesmente ficar escrevendo um monte de coisa para ver se aparece e o que acontece.

O modo principal do jogo é o desafio, que possui todas as 220 fases do título. Quando o longo tutorial for terminado pelo jogador, ele pode começar as jogar as fases que são divididas em dois tipos, de ação e de quebra-cabeça.

A diferença entre as duas é que na fase de ação a Starite, item que deve ser coletado para terminar com sucesso o estágio, normalmente está fixada em um lugar específico e visível, bastando ao jogador a tarefa de alcançar a estrela usando habilidade e criatividade.

Algumas criaturas são brigonas...O primeiro exemplo que podemos dar de uma fase de ação é uma na qual a Starite está no topo de uma árvore. Nós completamos o objetivo de derrubar a árvore três vezes com as palavras "machado", "motoserra" e "castor".


Uma fase que a gente não soube completar foi no mundo 3, na qual depois de destruir blocos de gelo com explosivos não conseguimos pensar em como pegar a Starite dentro de um cubo de gelo, que estava debaixo da água.

Já nas de quebra-cabeça, a Starite só aparece quando você completa a missão inicial, que geralmente pede para você dar alguma coisa para alguém. Um exemplo disso é uma parte no primeiro mundo na qual o objetivo é distribuir dois itens entre quatro personagens: um chef, um policial, um bombeiro e um quarto sujeito que não lembramos direito o que ele era.

Como esperado, a solução desses tipos de desafios são mais light, permitindo o emprego de menos habilidade e mais criatividade - e foi o modo o qual mais gostamos. Outro modelo de desafio a ser esperado pelo jogador é uma fase em um ambiente ártico onde Papai-Noel está aguardando por você para receber algo de que ele goste. Sem obscenidade, mas nós escrevemos "pirulito" e o Noel gostou, revelando a Starite.

Durante as fases o seu avatar consegue interagir com o ambiente de diversas maneiras além de sair correndo pelo cenário bidimensional. Você pode equipar seu boneco com armas, roupas e outros acessórios, além de encher cestos, latas de lixo e outros tipos de containers com certos itens, arremessar os objetos que  está segurando contra alguma coisa, pular pequenas elevações/declinações, subir escadas e árvores, montar em animais, dirigir veículos, disparar armas e, em resumo, interagir de algum jeito com qualquer elemento que você vê.

Quando você termina uma fase qualquer, quatro eventos ocorrem: seu desempenho é medido de acordo com o número de palavras escritas (quanto menos palavras, melhor), tempo e criatividade; você ganha medalhas de méritos (funcionam como um sistema de conquistas), dependendo de como fez para alcançar a Starite; o modo avançado é liberado para a fase completada e você também ganha ólares, que é a moeda do jogo.

Situações muito incomuns podem ocorrer...

O modo avançado torna a brincadeira mais divertida ao desafiar o jogador a fechar a mesma fase três vezes seguidas, sob a restrição de não usar de novo as palavras que forem escritas uma vez. Isso pede mais criatividade e, portanto, é um dos nossos modos prediletos. Logo, podemos dizer que há 440 fases, se contarmos as do modo avançado como as adicionais. São bastantes horas de diversão proporcionadas neste título, aspecto muito importante.

Com ólares você pode comprar novos avatares e músicas no mercado de ólares, também sendo preciso gastar alguns para desbloquear novos mundos. Há um total de 11 avatares disponíveis, contando Maxwell como um deles, e entre eles encontramos alienígenas, zumbis, DJs e outras criaturas bizarras.

As primeiras coisas que compramos com nossos primeiros ólares foi o avatar do zumbi seguido pela aquisição da música "faixa38". Você pode ouvir as músicas no mesmo painel de opções onde troca o idioma e muda de avatar. Outro lugar onde dá para usar suas músicas é nas fases que você cria.

O editor de fase permite que... Bem, você edite fases. Não quisemos usar muito o editor, porém conferimos que você escolhe um dos cenários das fases dos mundos que fechou e depois começa a colocar coisas nele, programando as reações dos personagens inseridos. E para terminar a descrição do game, não, você não pode ganhar um nível escrevendo "Starite", apesar de uma versão falsa dela aparecer nesse caso.

aprovado
Tudo! Ótimo conceito para jogabilidade. Único!

Do que nós gostamos? Nós gostamos que Scribblenauts se mostrou um dos melhores jogos de DS. O jogo é simples para ser jogado por qualquer pessoa, pois os comandos são fáceis de serem executados e acima de tudo a jogabilidade é surpreendentemente criativa e inovadora, algo que você nunca viu antes em um video game. O principal atributo a ser testado aqui é a criatividade dos jogadores,  que com certeza serão entretidos.

Compartilhar a brincadeira com os outros

Scribblenauts é um título que, por mais que digam ser singleplayer, devemos discordar, já que esse é justamente o tipo de jogo o qual vai atrair a atenção de qualquer pessoa na sala. Chega a ser muito mais divertido quando há amigos por perto para compartilhar do entretenimento ao exibir uma perspectiva de solução diferente para os problemas.

Até recomendamos que você tente jogar com seus amigos para descobrir possibilidades novas e dar risada de qualquer absurdo que alguém venha a escrever. No nosso caso, as palavras mais obscenas vieram de colegas de trabalho que estavam "xeretando".

Bastante diversão

Com as 220 fases, mais os modos avançados, você dificilmente vai enjoar rápido de Scribblenauts. O jogador ainda escolhe entre fases focadas na ação ou em puzzles, podendo atingir melhor ao seu gosto assim. São 10 mundos a serem conquistados - subtraindo o tutorial nessa conta - com 11 fases de ação e 11 de quebra-cabeças. Além disso, o editor de fase pode ocupar ainda mais o seu tempo ao tentar criar uma fase divertida. São realmente muitas horas de jogo.

Sinta-se recompensando

Ganhar as moedinhas do jogo, os ólares, incentiva um pouco mais ao jogador a continuar explorando o mundo de Scribblenauts. Você pode comprar quinquilharias como um novo avatar ou músicas, mas também pode desbloquear outros mundos. Isso fará com que você queira sempre fazer um bom desempenho nas fases para ficar rico e comprar tudo.

Quantidade apocalíptica de palavras e possibilidades

Mesmo que algumas palavras comuns como “passarinho” não funcionem, uma grande quantidade dão certo. Já revelamos que a equipe de desenvolvedores ficou mais de seis meses concentrada em pesquisar e agrupar palavras, por isso a ideia do jogo conseguiu ser cumprida e os jogadores podem “escrever qualquer coisa para resolver qualquer coisa” com sucesso considerável.

Algo muito interessante nessa história é o jeito que as coisas interagem no cenário: um vampiro foge do alho, um gato caça um rato, Deus luta contra o Diabo e um animal carnívoro come carne. Por mais simples que isso soe, junto com os tipo de desafios oferecidos, a mecânica de interação entre os elementos do cenário é bem plausível.

Gráficos e sons "simpáticos"

O estilo artístico é absurdamente simples e deformado do gênero desenho animado. Foi a melhor escolha que os desenvolvedores poderiam adotar para criarem imagens para todas as palavras - e o resultado ficou bonito, considerando a proposta do jogo.

Os sons merecem igualmente a nossa simpatia, já que boa parte das criaturas e objetos emite algum som. Já a trilha sonora parece ser meio repetitiva, mas no fim é boa se for levado em conta o quesito de que ela realmente não chega a atrapalhar, e as músicas parecem conter um toque sutil de humor.

Bom nível de dificuldade

Os primeiros desafios são muito divertidos ao mesmo tempo em que são fáceis, já outros podem ser demasiadamente difíceis ao mesmo tempo em que são divertidos. Portanto, você que gosta de desafio, não espere por outro joguinho bobo para DS, pois Scribblenauts pode rachar a sua cuca em certas fases. E você que não gosta de coisas muito difíceis, também encontra algo com o que se divertir em Scribblenauts.

Ótima ferramenta educativa

Caso você não tenha dado bola, há as opções de idiomas inglês, francês e espanhol além do português. Portanto, se quiser desenvolver um pouco - mais - seu inglês, você pode jogar uma horinha de Scribblenauts configurado para a língua inglesa - é necessário um bom nível de conhecimento para saber o que deve ser conjurado.
 
E mesmo no português você ainda pode aprender algo com o jogo. Quem sabe você seja corrigido pelo game algumas vezes ou aprenda uma palavra que nunca viu na sua vida antes? Na realidade, nem sempre quando você esquece acentos ou erra alguma letra o jogo corrige, mas na maioria das vezes sim.
reprovado

Escreva qualquer coisa, desde que seja algo válido...

Apesar do “porralhidão” de palavras em Scribblenauts, algumas não estão presentes. E, infelizmente, foi bem difícil o jogo dar alguma coisa em troca quando escrevíamos duas palavras como “gato no teclado”, algo que nós vimos nas demonstrações do jogo em inglês. Basicamente, não conseguimos executar tais combinações de palavras para conseguir resultados emocionantes.

Sugestões que não ajudam muito

Às vezes foi difícil colocar na tela o que era desejado, pois quando escrevemos “rolo”, por exemplo, apareceram três opções das quais não tínhamos muito indícios qual deles ela o rolo que cozinheiros usam para amassar massas.

Falta de ação

O foco do jogo é a criatividade, mas não seria nada mau caso a 5th Cell resolvesse melhorar um pouco os controles e tornar as coisas mais emocionantes em Scribblenauts. Mesmo as fases do tipo ação não dão conta do recado, visto que nelas você precisa pensar mais do que agir. E é assim no resto do jogo também. Vale destacar que não são muito práticos os comandos do jogo.

Não reconhece desenho de letras

Para escrever as palavras você pode escolher entre passar a stylus nas letras em um teclado ou desenhar como se estivesse utilizando uma caneta de verdade. Todavia, a letra que o jogo identifica dificilmente é aquela que você desenhou.
vale a pena?

Nós dificilmente imaginamos alguém que não valorize a criatividade. Mas, caso você não esteja ligando muito para o fato de poder escrever quase qualquer coisa no seu DS e com isso fazer aquilo que você escreveu apareça no meio da fase e possa vir ajudar a solucionar os problemas, Scribblenauts não é o seu tipo de game.

Já a nossa opinião em relação á Scribblenauts é positiva. Achamos que o título é um dos melhores para Nintendo DS e talvez seja o melhor. Há muitos títulos criativos pelo mundo, mas a criatividade não é sinônimo de diversão e por isso valorizamos tanto Scribblenauts, que pelo menos nos primeiros dias deixará o jogador bastante motivado a experimentar todo o tipo de loucura possível de palavras.