Muitos povos antigos criaram histórias para explicar os ambientes em que viviam. É bastante famoso, por exemplo, o mito grego de Atlas, o homem condenado pelos deuses a carregar a Terra por toda a eternidade. Ao mesmo tempo, a ideia de que o nosso planeta é sustentado por uma tartaruga gigante é bastante recorrente em várias mitologias orientais.

Em Xenoblade Chronicles, por sua vez, os titãs Bionis e Mechonis estavam fadados a batalhar um contra o outro eternamente. Após milênios, contudo, o corpo dos guerreiros passou a servir de lar para diversos seres vivos. A diferença, todavia, é que nesse caso não se trata de apenas um mito, mas sim da realidade vivida pelos personagens do game.
Embora os titãs já estejam inertes há milhares de anos, a luta entre eles parece continuar, uma vez que os Mechons (como são chamados os robôs que vivem em Mechonis) costumam atacar os habitantes de Bionis – como os humanoides Homs – para se alimentar. E é justamente no meio dessa guerra que toda a aventura começa. Está preparado?

aprovado

Honrando a tradição sem medo de inovar

Quem tem o costume de jogar RPGs já sabe que o gênero exige bastante dedicação de seus jogadores. Além de campanhas extensas com duração mínima de algumas dezenas de horas, quem começa jogo do estilo também espera poder personalizar o seu personagem, além de encontrar a possibilidade de explorar um universo cheio de detalhes escondidos e secundários.

Xenoblade Chronicles honra essa tradição ao apresentar uma campanha de pelo menos 60 horas de jogo, além de vários aspectos característicos do gênero – tais como itens colecionáveis, dezenas de configurações de equipamentos e habilidades e missões secundárias espalhadas em todos os lugares.

Img_normal
Ao mesmo tempo, muitos elementos antiquados são deixados de lado de modo a favorecer o jogador. Desse modo, toda vez que os requisitos de uma missão secundária são completados, a recompensa é recebida na hora – algo que elimina a necessidade de voltar até uma cidade do outro lado do mundo (ou, melhor dizendo, do titã) apenas para falar com uma pessoa.

Outros recursos, raros em RPGs, incluem viagens rápidas para localidades já visitadas desde o início do game e a possibilidade de alterar o horário do jogo automaticamente a qualquer momento. Assim, encontrar personagens que aparecem apenas em determinadas horas do dia ficou ainda mais prático, não importando onde eles estejam.

Os segredos da Monado

Logo no início do game, o jogador é levado para o centro de uma grande batalha na pequena cidade de Colony 9, onde um grupo liderado pelo guerreiro Dunban defende os Homs dos invasores Mechons. Além da ajuda de seus companheiros, o herói também conta com o auxílio da Monado, uma espada lendária que é a única arma capaz de destruir esse tipo de inimigo.

Img_normal
Com o decorrer do jogo, a Monado passa a ser empunhada por outro personagem ao mesmo tempo em que alguns de seus poderes são revelados pela primeira vez. Assim, se de certa forma a trama do game gira em torno da espada, ela também é responsável pela introdução de novas mecânicas de jogo.

Além de alguns ataques especiais, por exemplo, ela também oferece ao jogador a possibilidade de visualizar o futuro, tanto no meio de batalhas como durante o decorrer da trama. Além de enriquecer a narrativa, as cenas previstas pela espadas só não são tão empolgantes quanto a possibilidade de alterá-las modificando o presente.

Combate dinâmico e eficiente

Quando Final Fantasy XII foi lançado para o PlayStation 2, muitos jogadores criticaram a adoção do sistema de combate em tempo real, ao estilo dos MMOs, em vez dos antigos métodos baseados em turnos.

Enquanto a Monolith decidiu utilizar um sistema semelhante, não há como criticar o sistema de batalha de Xenoblade. Recheadas de estratégia, as lutas exigem que o jogador aja rápido e escolha as melhores habilidades para o momento. Ao mesmo tempo, é bastante útil averiguar a lista de movimentos de seus companheiros para que eles utilizem os melhores golpes para serem utilizados em equipe.

Img_normal
E se o combate apresenta diversas possibilidades ao jogador, tudo é apresentado aos poucos, sem a necessidade de engolir diversos conceitos de uma só vez. Pelo contrário, da mesma maneira como o sistema de batalhas merece elogios pelas opções que oferece, a didática utilizada pela equipe de desenvolvimento para ensinar cada minúcia utilizada em Xenoblade também está de parabéns.

Muito além das 60 horas

Embora o game anuncie que a trama principal pode ser concluída em 60 horas, é muito fácil estender o jogo por muito mais. Logo no início já há o acesso à Collectopaedia, que oferece prêmios ao jogador por completar coleções de objetos encontrados pelo mundo.

Conforme a trama se desenrola, outros recursos como o intrincado sistema de relacionamentos de Xenoblade são apresentados. A partir dele, os membros do seu grupo podem ganhar bônus na batalha de acordo com o seu grau de amizade ao mesmo tempo em que side quests específicas podem ser liberadas conforme o seu relacionamento com NPCs específicos melhora.

reprovado

Onde está a bussola?

É até difícil encontrar problemas em Xenoblade Chronicles, mas até mesmo os titãs apresentam suas falhas. Embora o game apresente uma seta no topo da tela, algumas vezes ela é a responsável por você se perder no mapa.

Img_normal
Isso porque o gigante mundo em que Bionis se transformou, embora seja um dos destaques do jogo, também acaba sendo um empecilho na hora de se encontrar em meio a tanta grandeza. Como é possível viajar rapidamente entre localidades já encontradas, isso não chega a ser um problema tão grande, mas incomoda pelo tempo perdido.

vale a pena?

Saído da mente de Tetsuya Takahashi, responsável por Chrono Trigger e outros títulos da série Xeno, Xenoblade Chronicles consegue a façanha de superar as sua altas expectativas. Ainda que desfavorecido pela incapacidade do Nintendo Wii de gerar gráficos em HD, o game apresenta personagens e cenários fabulosos.

Além disso, a trama complexa e instigante por si só já bastaria para justificar a qualidade do game. No entanto, há praticamente uma infinidade de tarefas secundárias para o jogador que, embora tomem muito tempo, são extremamente gratificantes.

Deste modo, se você tem um Nintendo Wii e sentia a falta de títulos fora da proposta casual pela qual o console ficou conhecido, não perca tempo e corra atrás de Xenoblade Chronicles – um game obrigatório para qualquer um que apresente o mínimo interesse em RPGs.